5 sinais de que é hora de mudar os processos logísticos na sua empresa

  • Home
  • Logística
  • 5 sinais de que é hora de mudar os processos logísticos na sua empresa

Os processos logísticos de uma empresa representam a maneira com que ela lida com o fluxo dos materiais em todas as fases de produção. Com a necessidade de se adaptar a um mercado volátil e em constante transformação, se você permanece com os mesmos métodos, sem analisar o que está mudando no setor, pode acumular terríveis dores de cabeça.

A logística é feita de desafios. Como profissional da área, você já deve ter enfrentado problemas como preço, frete, armazenagem, entre outros.

No post de hoje, vamos listar alguns problemas comuns dessa área. Se a sua empresa estiver enfrentando algum deles, é sinal de que está na hora de investir em novos processos logísticos. Acompanhe.

1. Inflexibilidade na cadeia de suprimentos

A princípio, pode parecer que não, mas a verdade é que não existe um padrão único e imutável para os processos na cadeia de suprimentos. A demanda dos clientes é sempre passível de alterações. Portanto, as etapas estão abertas a transformações, interferindo em diversos pontos da própria cadeia.

Fechar os olhos para a dinâmica do andamento logístico é uma ação pela qual, em uma determinada hora, o próprio setor vai cobrar mudança. Seja flexível e preparado para imprevistos, pois eles podem acontecer em todas as fases do processo.

2. Mal acompanhamento do sistema de informação

O bom gestor é aquele que consegue acompanhar o movimento do produto na cadeia de suprimentos. Se o oposto está acontecendo em sua instituição, você tem um gargalo que precisa ser tratado.

Um profissional incapaz de enxergar o sistema de informação terá dificuldades de intervir na rota logística do produto, fazendo as implicações necessárias.

Manter um cronograma de dados claro e funcional é fundamental para facilitar o bom monitoramento, evitando perdas, desvios e extravios.

3. Desinteresse pelo estoque

A gestão do estoque é um fator definitivo para a logística, pois ela traz impactos diretos sobre o preço do produto, que ajudam a definir o lucro da organização.

Quem trabalha nessa área precisa prezar pela organização e desenvolver uma preocupação contínua com a armazenagem. Se um galpão reserva itens em acúmulo, tem-se um problema. Se os materiais estão em falta, também há dor de cabeça. Se estiverem mal dispostos, fora de padrão ou controle, os prejuízos vão chegar em disparada.

É necessário investir em uma gestão aliada à tecnologia, integrando o estoque com os setores necessários, em busca da satisfação interna e externa.

4. Cargas mal transportadas

Um dos maiores gargalos logísticos no país é o transporte de cargas. Trabalhar essa questão no Brasil inclui barganhar preço e enfrentar não só a precariedade das estradas do país, como também a falta de segurança e as longas distâncias.

O responsável pelo setor precisa estar em constante verificação do que há de melhor no mercado. Não se acostume com um fornecedor ou com um tipo de transporte. O ideal é sempre refazer as contas e se manter informado quanto à tecnologia e outros benefícios em prol da qualidade e economia.

5. Equipe mal preparada

Todo profissional de logística deve estar bem preparado para oferecer ao cliente a melhor experiência de compra possível. Caso contrário, os esforços para manter a qualidade da entrega não adiantarão muito.

Se você tem notado falta de capacitação do time, é hora de investir em treinamento combatendo as áreas de real necessidade. Além de ganhos na produtividade, você alcançará o necessário para a satisfação e fidelização do cliente.

Gostou de entender sobre as mudanças necessárias em processos logísticos? Então, confira nosso artigo sobre como uma empresa especializada pode cuidar da logística da sua carga.

Danilo Guedes

Danilo Guedes

Danilo Guedes, CEO da ABC Cargas, formado em gestão logística pela FAAP e com MBA em gestão empresarial pela FIA-USP, atua na área de transporte há mais de 20 anos, sempre buscando oferecer ao mercado um alto padrão de qualidade e inovação.

Deixe um comentário

Share This